terça-feira, março 29, 2011

Por um mundo melhor, obrigada!

Nem sei por onde começar. Sabe quando ficamos escrevendo e dando delete logo em seguida? Ando assim. Ando sem paciência. Ando sem humor. Mas ando mesmo é sem tolerância para a falta de educação que se intalou em toda a humanidade. Seja ela real ou virtual. As pessoas pararam de dizer obrigada. Parece-me que daqui alguns anos a palavra obrigada entrará em extinção. E que algum dia uma criança irá virar e perguntar para o pai o quê obrigado significa. E ele atônico não saberá responder. Um palavra tão simples quanto obrigado está caindo em desuso. E de quem é a culpa? De todos nós que ao sair do elevador esquecemos de dizer obrigada; esquecemos de dizer obrigada a um elogio; esquecemos de dizer obrigada quando recebemos um serviço; esquecemos de dizer obrigada quando alguém nos oferece algo ou quando alguém nos ajuda. Esquecemos de dizer obrigada quando alguém nos abre uma porta ou nos cede a passagem. Mas esquecemos mesmo é que as crianças seguem exemplos. E se eles não existem, como seguí-los? Fico espantada quantas vezes o meu obrigada é o único em uma multidão de pessoas. E o quanto aquilo parece não ser audível para a maioria. E o que antes assolava nosso dia a dia, agora assola nosso mundo virtual também. Culpa de quem? Do tempo, do sistema, de coisas mais importantes. As pessoas simplesmente pararam de agradecer. A moda agora é exigir. Garantir direitos. Sou muito ocupada/importante para perder meu tempo agradecendo aquilo que acho seja uma obrigação. Ora vejam a ironia. O que é obrigação não merece um obrigado. Sim, é obrigação do acessorista te levar de um andar a outro, mas não é sua obrigação agradecê-lo. Realmente, ninguém te obriga a agradecer, mas agradecendo estás valorizando aquilo que talvez você não queira ou não possa ou não goste de fazer. Agradecer é acima de tudo dizer o quanto aprecia aquilo que estás recebendo. É mostrar que sabe a importância daquilo que lhe foi oferecido. E nisso, não existe obrigação.

sexta-feira, fevereiro 25, 2011

sexta-feira, janeiro 07, 2011

Feliz Ano Novo!






Sumida, sem desculpas. Sorry...

Tempo que não apareço por aqui, gostaria de dizer que uma das minhas resoluções de ano novo é atualizar esse canto com mais frequência. Mas como não quero que isso vire apenas promessa, vou apenas dar uma pincelada do que andou ocorrendo por aqui.

* Dia 29/11 - nasceu o mais novo integrante da família, o meu pequeno sobrinho Lucas. Nasceu de surpresa e já veio alegrar a vida de todos nós.

* Filhão começou a caminhar dia 17 de dezembro e está incontrolável. hihi

* Natal passei com minha família, porém sem meus pais. Foi triste, mas por uma boa razão.

* Ano Novo, passei na cobertura do meu prédio. Foi maravilhoso, pois estava com minha irmã e minha prima e suas respectivas famílias. Foi uma festa pequena e simples, porém muito gostosa.

* Há dois dias completei 34 anos. Atualizando as realizações que aqui postei :

+ estou casada há 3 anos.
+ tenho 1 filho lindo de 1 ano e 2 meses que me enche todos os dias de felicidade transbordante
+ comprei meu primeiro apartamento.
+ coloquei mais 2 pins nos países do meu mapa imaginário de viagens: Jamaica e Estados Unidos:
Jamaica:
Port Royal, Port Antônio, Kingston e Ocho Rios
EUA:
Miami
Brasil:
Maranhão= São Luis, Barreirinhas, Atins,
Piauí =Teresina
Mato Grosso = Rondonópolis
RGS = Pelotas, Rio Grande
Uruguai:
Punta del Este
Colônia del Sacramento

+ Concluí meu curso de Italiano. Fluência ainda não há, mas está bem desenvolvido.
+ Aprendi a costurar, mas ainda falta muito a aprender.
+ Li o último Livro da série Harry Potter e vou sentir saudades.

Acho que era isso no momento.

A foto que ilustra esse post é das flores lindas que recebi de surpresa no escritório. Já disse que amo receber flores?

See ya,

sexta-feira, novembro 12, 2010

Primeiro Ano do Resto de Nossas Vidas - A Festa


Quem me conhece sabe da minha paixão por artesanato e que gosto de fazer (sempre que possível ) tudo ao invés de comprar. Então com a festa do meu filho não poderia ser diferente. O problema é que decidi na última hora (2 meses atrás) a realização da mesma. Para quem compra tudo esse tempo é suficiente, porém para quem quer fazer tudo (ou quase tudo) e mais um pouco eu já estava atrasadíssima. Foram dias, noites e semanas para produzir tudo, mas no final valeu a pena.
O tema: Calvin&Haroldo.

Muitos devem achar que esse tema não representa muito as crianças e está muito mais ligado aos adultos. Concordo, mas escolhi esses personagens pois representam muito a árdua tarefa de uma mãe e de um pai.

Os pais de Calvin passam poucas e boas com as peripécias de seu filho esperto e hiperativo. Com uma criatividade que lhe é muito particular, Calvin nos leva para o seu mundo de aventuras e desventuras com a pureza de uma criança, mas com o pensamento de um adulto.
Bom, mas esse post não é sobre isso, até porque já existe ótimos post na blogosfera muito bons e que explicam bem melhor essa maravilhosa relação, basta dar uma procuradinha.
Para quem não sabe o autor de Calvin&Haroldo, nunca lincenciou sua criação para nenhum tipo de produto, então tive que partir do zero. Utilizei então várias tirinhas que estão disponíveis no ótimo Depósito do Calvin para compor a festa.
A primeira coisa que fiz foi definir o logo da festa.

Depois dei uma procurada na rede e achei uma ótima versão do Haroldo em papertoy, o problema é que não havia molde. Fiquei dias atrás do mesmo, até que finalmente consegui localizá-lo. Sim. Internet exige pesquisa, tempo, mas acima de tudo paciência! Com o molde nas mãos, passei horas cortando, colando e dobrando mini haroldos para utilizá-los como centro de mesa.

Era a hora de imaginar a mesa de doces. Queria fugir um pouco daquelas mesas cheia de personagens e com um painel cheio de balões. Novamente pesquisei na internet e achei lindas idéias como essa da Banana Craft ou essa maravilhosa da Thalita Doll e também a da Nat. Todas fugiam aos aniversários tradicionais. Todas essas tinham o toque exclusivo de quem acredita no trabalho manual. E todas elas contribuiram de alguma forma para a realização da minha mesa. (Obrigada meninas por repartir essas idéias).

Com todas essas idéias na mão, parti para a escolha das cores: laranja e preto. Cores que estão presente no tigre mais amado do mundo. Como o aniversário aconteceu perto do Halloween, não foi difícil achar copos, guardanapos, pratinhos e outros "cositas" nesses tons.



Imprimi e customizei as letras de Feliz Aniversário e Nicolas com os personagens principais em poses engraçadas e colei em papel cartaz laranja e preto. Também separei as tiras em que o Calvin "contracena" com seus pais e fiz cartazes e espalhei pelas paredes do salão.






O "bolo" fiz todo de cupcakes, de chocolate e cenoura. Mas não qualquer cupcake. Eram "OS" cupcakes da Priscilla's Bakery. Preciso dizer mais? Hum acho que sim, pois quem não é de Porto Alegre, não sabe que existe uma mini-padaria que nos delícia com os melhores cupcakes que já provei na vida. Que eles são macios, delicados e com um recheio indescritível (E ei? Esse parte não é patrocinada, não, viu? Só sou uma fã que acha que tudo que é bom tem que ser divulgado e compartilhado).


Para as lembrancinhas eu queria algo que as crianças pudessem guardar e usar, e não somente comer. Então utilizei um tecido que imprime e fiz a "Hora do Soninho", depois foi achar um tecido lindinho todo de patinhas e costurar tudo em um travesseirinho mega fofo para as horas em que olhinhos pesarem. ;-)

E como adulto é no fundo uma criança grande (clichêeeeeeee), fiz um mini-"cupcake" de balinhas de goma. Mas a maioria queria mesmo era a almofadinha, rolou até um quase-stress de familia, mas disso eu não sei nada. Lá, lá, lá. :)

Na mesa de doces coloquei todos os tipos de balas e guloseimas em tons parecidos com o da festa. A criançada foi ao delírio, fazendo inclusive uma "colheita" no final da festa.


Para completar a decoração pedi para minha cunhada trazer de São Paulo, mais precisamente do bairroLiberdade, algumas lanternas japonesas, que deram o toque todo especial para o salão e no jardim.

Falando nele, e graças ao São Pedro que na última hora mudou o tempo, coloquei alguns brinquedos do Nicolas no gazebo que fizeram a criançada brincar até não poder mais. (E eu que estava preocupada de não ter cama elástica. tst, tst, tst. Criança precisa é de espaço e imaginação que o resto elas dão conta) hehehe.

De resto a festa foi memorável. Com o Nicolas fazendo todo mundo cantar o parabéns umas 4 vezes, já que toda vez que a gente terminava ele começava a bater as mãozinhas pedindo por mais. Lindo ele. Todos animados e felizes. Eu exausta (me levou 4 horas sem parar montando o salão), mas inacreditavelmente com energia ainda para conversar um pouquinho com todos que ali estavam para celebrar conosco o primeiro ano do resto de nossas vidas.


E no fundo, não é isso que importa?

See ya,















































































quarta-feira, novembro 03, 2010

Há um ano!

Há um ano:

* o dia estava cinzento e fresquinho - hoje está ensolarado e bem quente

* éramos dois -hoje somos três.

* eu chorava com um misto de nervoso e ansiedade - hoje choro de lembrar cada detalhe dessa nossa jornada.

* na minha barriga tu estavas - hoje brinca na creche

* teu pai, teu tio Pipi, teus dindos e teu primo, juntamente com tua vovó aguardavam ansiosos do outro lado do corredor - hoje aguardam pela tua festa no sábado.

* teu cabelo era negro e volumoso e lembravas o personagem Wolverine pois até costeletas tinha - hoje castanho claro, teu cabelo ralinho teima em não crescer, mas apresenta uns cachinhos na nuca.

* choraste imediatamente ao sair de dentro de mim - hoje chora fazendo birra para dormir

* na tua boca nenhum dentinho - hoje tens 4 dentinhos que nos derretem ao dares uma risada

* mamou imediatamente quando nos reencontramos e assim o em 1 em 1 hora por muitos meses - hoje faz 1 semana que deixaste o meu peito.

* só mamavas no meu peito - hoje adora comer e provar de tudo. Nada o desagrada.

* vestia a roupa de Batman que a tua madrinha te deu - hoje veste um pijaminha que quase não te serve.

* passamos as primeiras horas só nos dois juntos - hoje só poderemos nos reencontrar depois de um dia separados.

* seguravas quase insitivamente meu dedo - hoje agarras na minha mão tentando se equilibrar para caminhar.

* olhava-nos com olhos negros e pequenos - hoje teus olhos castanhos nos olham com interrogações.

* era eu que te abraçava - hoje me envolve com teus braços pequenos e ilumina meu coração.

* só ficava deitadinho e parado - hoje és um sapeca querendo correr antes mesmo de aprender a andar.

* usava fraldas RN - hoje usas G

* tomava banhos de toalhas - hoje fica imerso na banheira brincando com teus brinquedos e batendo as mãozinhas na água. E isso te faz rir muito. E confesso, que apesar de encharcada eu também me divirto muito.

* emitia apenas ruidinhos e choro - hoje ensaia algumas palavras ou somos nós que imaginamos que sejam palavras.

* dormia colado ao meu peito - hoje dorme no teu bercinho, que logo, logo teremos que trocar por uma caminha, pois acordas e logo fica de pé nas grades.

* tua pele era branquinha quase transparente - hoje assume um tom moreno.

* não sabíamos que era possível amar tão imensamente alguém - hoje descobrimos que o amor cresce tanto que já não cabe dentro do peito.

* não sabíamos se seríamos capazes - hoje aprendemos dia-a-dia como te educar.

Há um ano tu nasceste. Hoje completas 1 ano de vida.

Te amamos imensamente meu querido filho. Feliz Aniversário!

sexta-feira, outubro 29, 2010

O tempero da Vida

Hoje recebi um comentário em um post mais antigo que me fez notar que nunca expliquei a razão de ter nomeado esse cantinho de Temperos da Vida.

Muitos devem pensar que foi devido ao filme homônimo: O Tempero da Vida, porém não é exatamente assim.

Quando resolvi criar esse espaço, vinha de uma leitura massiva de um blog apaixonante chamado A Vida Escrita a Mão. Descobri aquele espaço procurando no google por uma receita de pão, vejam só.

Foi lendo as histórias tão belamente escritas pela sua autora, que descreviam um amor a distância, uma vida sendo iniciada em um país que amo tanto, que resolvi criar esse canto só meu e ao mesmo tempo do mundo.

Assim como aquele blog que me inspirou tanto, quis colocar no título algo que desse uma pista daquilo daquilo que amo: culinária e especiárias. Mas também queria homenagear quem havia me aberto um mundo tão novo e interessante.

Queria unir através de palavras inúmeros sentimentos diferentes mas que juntos compõe nossas vidas. E assim são os temperos. Eles solitários possuem um aroma, mas juntos com outros ingredientes transformam a forma, transformam o resultado. Criam e surpreendem a cada mistura, a cada tentativa de acerto. Nem sempre combinam entre si, as vezes precisam ser cuidadosamente mesclados, outras vezes o acaso revela um mistura única e inesquecível.

E se pararmos para pensar, assim também é a vida. Cheia de pessoas, lugares e situações que vão "temperando" nossa história.

Então essa é a razão do nome do meu blog, mas parando para pensar, acho que inconcientemente usei o filme sim, que havia visto muitos anos antes. Filme delicado, cheio de riquesas e profundas mensagens do que é realmente importante na vida da gente. E de como pequenos "temperos" fazem toda a diferença entre ser feliz ou ficar a espera da felicidade.

Obrigada a Adriana pela pergunta que me fez retornar depois de alguns meses a esse meu cantinho.

See ya,

terça-feira, agosto 03, 2010

Jamaica - Finalmente um resort, mas durou pouco.

No final de semana fomos em grupo para o resort Gran Bahia Principe que fica em Ocho Rios. Estrada bem parecida com aquela que leva a Port Antonio, as mesmas curvas, mesma falta de acostamento, mesmas loucuras dos motoristas locais. Mas a beleza compensa.

Paramos no centrinho da cidade para aguardar o check in que era as 15:00, mas infelizmente tudo estava fechado pois era feriado nacional (e qual turista não passou por isso). O único bar aberto era irlandês. Acho que fomos os únicos clientes a entrar nele, mas tudo bem. Bebemos e quando deu a hora para irmos para nosso destino final partimos bem alegres.

Quando chegamos no Gran Bahia já na entrada podemos perceber que nosso check in levaria bem mais tempo que esperávamos. Era uma muvuca de gente e de malas. Pessoas chegando, pessoas partindo. Nosso grupo era grande, algumas pessoas foram dar uma volta pelo local, outras ficaram esperando para dar entrada nos quartos. Eu me incluo nesse último grupo, pois ao contrário dos experientes, não estava com roupa de banho por baixo.

Demorou quase 2 horas entre a chegada e a nossa entrada no quarto, mas a espera valeu a pena. Claro que o cansaço e a distância da recepção até o quarto (tudo é longe em resort) atrapalharam um pouco o deslumbre do tamanho e da vista do mesmo. A decoração era bem minimalista, mas o tamanho da banheira de hidromassagem só me fazia sonhar com um banho bem calmo e aconchegante. Claro que isso era uma opção para bem mais tarde, pois queríamos almoçar ainda.
Quando chegamos a um dos restaurantes a maioria do pessoal já havia comido. E pior haviam escolhido justamente o pior buffet para isso. Era uma mistura de fast-food americana e mexicana. Eu que estava só com o café da manha na barriga (novamente), não estava muito afim de lanche, muito mais um buffet com coisas já bem “passadas do ponto” devido a hora. Peguei um pouco de salada e uns queijos e foi esse meu almoço.

Depois dessa decepção gastronômica fomos efetivamente conhecer o complexo. Com praias não tão bonitas quanto o esperado, a infra-estrutura de piscinas e esportes minimizam esse detalhe. A arquitetura lembra um grande castelo branco; e um lindo “coreto” construído em um apêndice dentro do mar é uma locação propícia para casamentos ao entardecer.

Aproveitamos o calor e fomos tomar banho de piscina e curtir as bebidas “in loco”. Eu que estava proibida de ingerir qualquer tipo de bebida alcoólica, tive que me contentar com os coquetéis mais falsos do mundo. Ao contrário do que eu esperava (imaginava tudo com muita fruta e super decorado) nada era natural, todos os sabores eram artificiais e sem nenhum apelo visual. Apesar de ser “all inclusive” a grande maioria das bebidas de qualidade estavam classificadas fora desse serviço.



Ficamos ali aproveitando ao máximo o descanso daquele lugar. Os rapazes aproveitaram para jogar basquete dentro d’água, e as mulheres ficaram tomando um sol para ampliar ainda mais o bronzeado.


Era perto das 17:00 quando resolvemos ir para o quarto descansar e fazer um lanche. E foi naquele momento que tive o desprazer de descobrir que All Inclusive, não é bem “tuuudo incluído”. Simplesmente não havia nenhum restaurante, lanchonete ou qualquer tipo de serviço abertos naquele horário. Tínhamos que esperar até as 19:30 para comer. Só que eu havia comido bem pouco no almoço e estava grávida. Essa segunda opção por si só já define o tamanho da minha fome. O jeito foi tomar um chá com leite (disponível nos quartos) e aguardar até a famigerada hora.

O que não tem solução, solucionado está, resolvi não ficar braba e aproveitar o que me era disponível, no caso uma banheira imensa de hidromassagem. Enquanto o maridão dormia para repor as energias e baixar o nível de álcool, eu enchi a banheira com sais e fui relaxar tomando o meu chazinho.


Quando o horário de abertura do restaurante geral estava disponível (os demais requeriam reserva antecipada, o que não havíamos feito), mais que prontamente nos direcionamos para o local. E para minha surpresa, já estava lotado. Ou seja, não era somente eu que tinha passado fome.

O enorme salão dispunha de 6 tipos de buffes temáticos (jamaicano, italiano, americano, espanhol) e outros 2 de saladas e antepastos. Fora a sessão de sobremesas. A comida era muito saborosa, só não sei se era por causa da minha fome ou pela qualidade da mesma. Provei de tudo um pouco, a única coisa que me desagradou foi um camarão gigante que peguei (e não comi) que parecia uma barata imensa. Tive que colocar fora e longe da minha vista, porque só de olhar para ele me dava repulsa.



Depois do jantar o pessoal foi assistir ao um show, seguido de Karaokê, mas nós estávamos muito cansados para essa empreitada e fomos mesmo é dormir.

No dia seguinte, acordamos e fomos tomar um longo café da manhã (com muito queijo, graças a Deus) e depois fomos para a praia. Apesar de não ter aquela cor azul neon, a água era transparente nas partes em que a algas não existiam. Ficamos só nos dois curtindo aquele momento. O sol fica indo e voltando, mas na maioria do tempo ficou nublado mesmo.


Quase perto do almoço, fomos nos arrumar e dar checkout no quarto. Nossa diária se encerrava ao meio-dia, mas o resort permitia que permanecêssemos no complexo, desde que o quarto estivesse liberado.


Almoçamos novamente no mesmo salão, com os mesmos buffets temáticos, porém com mudança de pratos. Demos uma volta nas lojas de souvenires do complexo anexo. Compramos algumas bobagensinhas e partimos rumo a Kingston. No dia seguinte, embarcaríamos para Miami. Eu me despedia da Jamaica com a certeza de ter aproveitado bem menos do que poderia mas sem por isso ter me divertido menos.
See ya,